domingo, 31 de janeiro de 2010

ÓPERA DE RUA - AUTO DO PESADELO DOM BOSCO - JORGE ANTUNES



Car@s amig@s:

O Maestro Jorge Antunes terminou a composição da ópera de rua Auto do Pesadelo de Dom Bosco.

Os ensaios e as apresentações acontecerão na primeira e segunda semanas de fevereiro.
O sucesso da estreia no dia 12 de fevereiro, foi estrondoso.

A vida imita a arte e alguns dos personagens, condenados na ópera, foram presos na vida real logo em seguida.

O povo filmou algumas das cenas primorosas e divertidas. Veja em:
 
http://www.youtube.com/watch?v=ezuyaFAFci0&feature=youtube_gdata
http://www.youtube.com/watch?v=x5IhCdzVwLE&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=hnu-impBFdA&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=_1Q-TwkNSV8&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=i5Rz5aejXLQ&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=8Xbzm8mtSBs&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=GcCzaji59uU&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=hnu-impBFdA&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=fn3qPJwpmvY
http://www.youtube.com/watch?v=_1Q-TwkNSV8&feature=related

SERVIÇO:
Auto do pesadelo de Dom Bosco
Ópera de rua, em um ato, de Jorge Antunes
Câmpus da Universidade de Brasília,
em frente à Casa do Professor

12 de março de 2010, 16 horas
Entrada franca
Classificação etária: livre
AUTO DO PESADELO DE DOM BOSCO
   (Ópera de Rua, em um ato)


música e libreto de Jorge Antunes


Cenário:


Mesa, à qual se sentará o Juiz Voxprópolis.
Este estará munido de um martelo de madeira.
Um engradado, representando as celas de uma prisão.

Personagens:


Meirinho, ator
Juiz Voxprópolis, ator-cantor
Burgomestre Leo Bardo Pro-Dente, tenor
Monarca Xaró Parruda, barítono
Suserano Paul Batávio, tenor
Ioarrín Kouriz, Rei do Gado, Senhor da Bezerra d'Ouro, barítono
Reverendo Júnior Embromélli, barítono
Reverendo Benedictus Dormindo, barítono
Gran Vizir Ben no Início Tavares, barítono
Príncipe Augustus Baralho, tenor
Bruxa Ouvides Grito, mezzo-soprano
Vassalo O Vilão Aires, tenor
Vassalo Rogê Rolíces, tenor
Vassalo Borval da Bóza, barítono-baixo
Truão Pônei Nêmer, tenor
Coro do Povo (entre 15 e 20 pessoas, homens e mulheres)


ATO ÚNICO


Meirinho (em tom solene) -
             O Senhor Juiz Voxprópolis! Todos de pé!


Juiz Voxprópolis (entrando, sentando-se à mesa) -  

                            Cada um aqui trazido,
                            essa gente toda presa,
                            vê o povo enfurecido
                            assustado de surpresa.

                            A revolta é algo novo,
                            a Justiça é chama acesa.
                            Defendemos este povo,
                            esta massa indefesa.

                            Não seremos extremados
                            dirigindo esta mesa.
                            Eu garanto aos acusados
                            o direito de defesa.

                            Dou agora a marretada.
                                    (bate com o martelo na mesa)
                            Veredito, vem após.
                            A palavra então é dada
                            para cada um de vós.


Meirinho – O primeiro acusado, desonesto e indecente: Burgomestre Leo Bardo Pro-Dente!


Coro do Povo –     Burgomestre é prudente,
            gosta de por nossa grana na meia.
            Isso é coisa indecente,
            ele merece é ir pra cadeia,
                    cadeia, cadeia, cadeia, cadeia, ...


Juiz Voxprópolis (gritando, interrompendo o povo) -    Silêncio!


Burgomestre
Leo Bardo Pro-Dente -      
                    Essa gente me maltrata,
                    essa gente pisoteia.
                    Não mereço a chibata,
                    não mereço a cadeia.

                    Vejo tanto manifesto,
                    essa gente alardeia.
                    Eu não roubo, sou honesto,
                    eu não tomo coisa alheia.

                    O monarca me chamou,
                    fui no canto da sereia.
                    Um esperto me filmou
                    e a coisa ficou feia.

                    A minh'alma é pura e bela,
                    tenho sangue bom na veia.
                    Sou prudente com cautela,
                    causa justa me norteia.

                    Minha conta lá no banco
                    tem milhões, está bem cheia.
                    Só trabalho. Sou bem franco:
                    Pouca grana pus na meia.

Meirinho – 
           Eis mais outro acusado, o da sujeira graúda:
           o Monarca Xaró Parruda!

Coro do Povo –  

            Este Rei Xaró Parruda
            pega dinheiro, gorjetas e agrados.
            Do poder jamais desgruda,
            ele merece trabalhos forçados,
                    forçados, forçados, forçados, forçados, ...


Juiz Voxprópolis (gritando, interrompendo o povo) - 
                    Silêncio!


Monarca Xaró Parruda -       
                    Eu venci de modo fácil,
                    eu cheguei como um ciclone.
                    Cada pobre no palácio
                    ganha leite e panetone.

                    Nem aqui e nem na China
                    vai ter lei que me destrone.
                    Com a grana da propina
                    distribuo panetone.

                    Quando eu falo pro povão
                    eu rebento o microfone.
                    Cada pobre é como um cão
                    esperando um panetone.

                    Quando o pobre vê promessa
                    bota a boca no trombone.
                    Distribuo bem depressa
                    um montão de panetone.

                    Mesmo assim com a tortura,
                    mesmo que eu decepcione,
                    vou mudar a conjuntura
                    com meu choro e o panetone.


Meirinho –

             Eis o outro acusado leviano:
             Paul Batávio, o Suserano!


Coro do Povo –   
            Paul Batávio, o Suserano,
            em cada feito ganhou comissão.
            Isso é coisa de tirano,
            ele merece é ir pra prisão,
                    prisão, prisão, prisão, prisão, prisão, ...


Juiz Voxprópolis (gritando, interrompendo o povo) -  
                    Silêncio!

Suserano Paul Batávio -       
                    Sou um grande construtor,
                    eu não sou um cafajeste.
                    Meu reinado é puro amor,
                    sou um líder inconteste.

                    Nesta terra bruta eu fiz
                    prédios rumo ao céu celeste.
                    Todo mundo agora diz:
                    Viva o Rei do Centro-Oeste!

                    Eu não quero essa peleja
                    que parece um faroeste.
                    Que o povo me eleja
                    pra fazer o Noroeste.

                    Em respeito a seu protesto,
                    que essa gente faça o teste:
                    poderei lhes dar o resto
                    da propina que me reste.


Meirinho
           Eis mais um acusado, figura perniciosa: 
            o Vassalo Borval da Bóza!


Coro do Povo –  
            O vassalo cineasta,
            lá no passado já foi delegado.
            É preciso dar um basta,
            ele merece ficar enjaulado,
                    enjaulado, enjaulado, enjaulado, enjaulado, ...


Juiz Voxprópolis (gritando, interrompendo o povo) -  
                    Silêncio!


Vassalo Borval da Bóza -       
                    Eu servi ao Rei antigo,
                    trabalhei com a cambada.
                    Novo Rei ficou comigo,
                    se meteu em enrascada.

                    Eu cansei do populista,
                    apoiando a cachorrada.
                    Resolvi virar artista,
                    cineasta da moçada.

                    Deputado como ator,
                    muita cena debochada,
                    Filmei podres do pastor
                    e também da deputada.

                    Exibí podres do Rei
                    e dos sérios de fachada.
                    Os canalhas dedurei:
                    delação bem premiada.


Meirinho
           Eis mais outro acusado, que no roubo não é calouro:
           Ioarrín Kouriz, Rei do Gado, Senhor da Bezerra d'Ouro!


Coro do Povo –   
            Desse Rei conheço o jogo,
            as artimanhas e habilidades.
            É famoso o demagogo,
            ele merece ir pra trás das grades,
                    das grades, das grades, das grades, das grades ...

Juiz Voxprópolis (gritando, interrompendo o povo) - 
                     Silêncio!


Iaorrín Kouriz -          
                    No meu gado ninguém toca.
                    Por que essa acusação?
                    Vocês fazem só fofoca
                    do bezerro de um milhão.

                    Eu adoro este meu povo:
                    ele sempre tem razão.
                    Eu me sinto ainda novo
                    pra enfrentar nova eleição.

                    Meu discurso, em cada estrofe,
                    vai empolgar a multidão.
                    Se eu perder é catrastófe,
                    se eu ganhar é salvação.

                    Eu envio aos inimigos
                    meu abraço e meu perdão.
                    Aos amigos mais antigos
                    mando beijo ao coração.


Meirinho - 

            Eis agora a feiticeira cheia de delito:
            a Bruxa Ouvides Grito!


Coro do Povo –    
            Essa bruxa é uma cobra,
            até parece serpente rasteira.
            Ela é cheia de manobra,
            ela merece é ir pra fogueira,
                    fogueira, fogueira, fogueira, fogueira, ...

Juiz Voxprópolis (gritando, interrompendo o povo) -  
                    Silêncio!


Bruxa Ouvides Grito -     
                   Vocês pensam que sou bruxa.
                    Toda gente, nessa orgia,
                    logo fala, desembucha:
                    sou a voz da maioria!

                    Eu fui uma professora,
                    forte fui na Academia.
                    Eu cheguei a ser Doutora,
                    eu vivi muita alegria.

                    Na política eu entrei,
                    abracei a burguesia.
                    A carreira acabei
                    pra fazer demagogia.

                    Defendi Educação,
                    já sonhei com utopia.
                    Comecei na religião,
                    acabei na vilania.

                    A verdade vem depois:
                    candidata em agonia
                    logo enche o caixa-dois
                    e a vergonha logo esfria.

                    Não sou ave de rapina!
                    Pra que tanta rebeldia?
                    Na bolsa, pouca propina.
                    Muito pouco eu recebia.


Meirinho – 
                 Eis outro réu, vergonha que fala sorrindo: 
                 o Reverendo Benedictus Dormindo!


Coro do Povo –    
            Benedictus esperto,
            tá envolvido e tá encrencado.
            Foi agora descoberto,
            ele merece ver o sol quadrado,
                    quadrado, quadrado, quadrado, quadrado, ...


Juiz Voxprópolis (gritando, interrompendo o povo) - 
                      Silêncio!


ReverendoBenedictus Dormindo -   
                    Pra que tanta indisciplina?
                    Não tô no mundo da lua!
                    Falam que ganhei propina,
                    dizem que eu fiz falcatrua.

                    Pensei que ninguém sabia
                    da verdade nua e crua.
                    Descobriram porcaria,
                    mas a luta continua.

                    Mas ficou muito bonito
                    o asfalto desta rua.
                    Mas será o benedito?
                    E a luta continua!

                    Com a força da igreja
                    a maldade só recua.
                    Canto em dupla sertaneja
                    e a luta continua!


Meirinho – 
           Outro réu! Da serpentte eu ouço o chocalho:
            Príncipe Augustus Baralho!

Coro do Povo – 
            Deste sempre ouvi falar,
            conversa mole eu vejo, eu ouço.
            Ele vai se desculpar,
            mas merece ir pro calabouço,
                    calabouço, calabouço, calabouço, calabouço, ...

Juiz Voxprópolis (gritando, interrompendo o povo) -
                    Silêncio!

Príncipe Augustus Baralho
                   Não estou neste atoleiro,
                    não mereço esse tranco.
                    Meu contato com dinheiro
                    teve início lá no banco.

                    Eu mudei de atitude,
                    mas agora eu sou bem franco:
                    não entendo de Saúde,
                    mas ganhei um cheque em branco.

Meirinho – 
            Outro acusado, mestre das sem-vergonhices: 
            o Vassalo Rogê Rolíces!

Coro do Povo –   
            Este veio de repente,
            sempre aprovando projetos furados.
            É um mero conivente,
            ele merece trabalhos forçados,
                    forçados, forçados, forçados, forçados, ...

Juiz Voxprópolis (gritando, interrompendo o povo) - 
                        Silêncio!


Vassalo Rogê Rolíces -  
                    Quê que é isso? E o meu boneco?
                    Vou ter que jogar no ralo?
                    Companheiro de boteco,
                    sou fiel, eu sou vassalo.

                    Todos querem me cassar:
                    não vou mais cantar de galo.
                    Vou então ter que cortar
                    o meu rabo-de-cavalo.

                    Eu pensei que o recesso
                    fosse um ótimo intervalo.
                    Do mandato me despeço,
                    pois o povo vai cassá-lo.


Meirinho – 
            Outro acusado vamos ouvir:
            o mestre em ações irregulares, 
            Gran Vizir Ben no Início Tavares!


Coro do Povo – 
            Esse até já confessou,
            vimos aquela vergonha no vídeo.
            Sua história acabou,
            ele merece é ir pro presídio,
                    presídio, presídio, presídio, presídio, ...


Juiz Voxprópolis (gritando, interrompendo o povo) -  
                      Silêncio!


Gran Vizir

Ben no Início Tavares -    
                    Moça de cabeça oca
                    lá no barco ancorado.
                    Ela então caiu de boca,
                    eu fiquei bem sossegado.

                    A barcaça afundou,
                    não pude sair a nado.
                    Ela nem soube que sou
                    um honesto deputado.

                    As propinas que ganhei
                    foi pra gente do meu lado.
                    Escrevi bastante lei.
                    Eu não posso ser julgado.

Meirinho
           Um bobo da corte é acusado de ladrão:
           Pônei Nêmer, o Truão!


Coro do Povo –   
            Conhecemos o truão,
            bobo da corte bastante maroto.
            Conhecido espertalhão,
            ele merece é ir pro esgoto,
                    esgoto, esgoto, esgoto, esgoto, esgoto, ...


Juiz Voxprópolis (gritando, interrompendo o povo) -  
                     Silêncio!


Truão Pônei Nêmer -    
                    Nem à toa, nem boêmio,
                    aderi ao banditismo.
                    Logo então me deram prêmio:
                    me confiaram o Turismo.

                    Todos somos bons guerreiros,
                    pra que tanto fanatismo?
                    Eu espero, companheiros,
                    que respeitem meu cinismo.

                    Todos entram na bolada,
                    por que tanto moralismo?
                    Roubei pouco, quase nada,
                    Vamos sem radicalismo.


Meirinho – 
              Eis o próximo réu.
              É um prazer acusá-lo:
              o Vilão Aires, um Vassalo!


Coro do Povo –   
            O baixinho tem propina,
            lá na cueca e no paletó.
            Completemos a faxina,
            Ele merece ir pro xilindró,
                    xilindró, xilindró, xilindró, xilindró, ...

Juiz Voxprópolis (gritando, interrompendo o povo) -    Silêncio!


Vassalo O Vilão Aires -      
                    Neste conto-do-vigário
                    sou do time dos frangotes.
                    Pra me verem no cenário
                    só subindo nos caixotes.

                    Sei que o roubo não é pouco,
                    assistí dos camarotes.
                    Fui vassalo do Rei louco
                    e do outro que deu lotes.

                    Eu andei bem escondido,
                    eu sumi dos holofotes.
                    Me filmaram constrangido
                    com propina em pacotes.


Meirinho – Um acusado religioso, com sujeira à flor da pele: Reverendo Júnior Embromelli!


Coro do Povo – 
            Embromelli, Embromelli,
            faz oração quando ganha propina.
            Mesmo que ele reze e apele,
            ele merece é ir pra latrina,
                    latrina, latrina, latrina, latrina, ...

Juiz Voxprópolis Voxprópolis (gritando, interrompendo o povo) - 
                       Silêncio!

Reverendo Júnior Embromelli -  
                    Meus irmãos, povo querido,
                    sou um grande homem de bem.
                    Se me chamam de bandido
                    digo amém, amém, amém.

                    A oração que faço agora
                    não me rende um vintém.
                    Mas se a grana vem na hora
                    digo amém, amém, amém.

                    Quando faço a oração
                    sem propina, sou ninguém.
                    Se me pagam comissão
                    digo logo: amém, amém!

                    Não mereço pontapé,
                    a propina me faz bem.
                    É o dízimo da fé
                    que me faz dizer: amém!


Juiz Voxprópolis -         
                    Nós ouvimos bem atentos
                    preleções de cada réu.
                    Percebi tristes momentos
                    de uma torre de babel.

                    Muitos chegam ao cinismo
                    de entrarem num papel
                    de assumido banditismo,
                    e de roubo a granel.

                    Um lançou forte veneno
                    como feia cascavel.
                    Outro fala, obsceno,
                    de uma prática infiel.

                    Tem até dissimulado,
                    que antes do papel cruel
                    já havia envergonhado
                    violando o painel.

                    Eu condeno o bando novo,
                    criminosos de aluguel
                    cá trazidos pelo povo
                    que não teme o tropel.

                    Todo o povo desta aldeia
                    bem merece um lauréu.
                    Os réus vão para a cadeia,
                    pro povo eu tiro o chapéu.


Coro do Povo -         
                    De pé, cidade envergonhada!
                    Seu povo quer paz e honestidade.

                    Esta cidade
                    da inovação,
                    quer civilidade,
                    quer libertação.

                    Contra o desmando,
                    a exploração,
                    fora o bando
                    da corrupção!

                    Vamos além!
                    Seja onde for,
                    prendam também
                    o corruptor.

                    Nossa cidade
                    especial,
                    quer igualdade
                    e justiça social.

(não cai o pano, porque na rua não tem panos, nem nada por baixo dos panos:
só nos gabinetes tem coisas por baixo dos panos)


FIM
?






  
O desenhista Jô Oliveira fez desenhos dos personagens, inspirados nas misteriosas 
figuras de Hieronymus Bosch.Veja as ilustrações no mesmo site em que está o libreto da ópera:
 

4 comentários:

Shal Informática disse...

Só soube da apresentação pelo Twitter do GOG e olha que trabalho no CONIC, que tal aumentar a divulgação? Trabalho em 38 comunidades no DF e Entonr pela ONG CDI-DF. O trabalho de vocês é faz sentido e estimula reações e o não ao comodismo. Me proponho a divulgar.
Adorei a apresentação, e quando o curta vai sair?

Radeir disse...

MAESTRO IRA LEVIN ,na "Folha Brasiliense" critica instrumentista por participar de ópera-bufa que ironiza Eurides Brito

Nahima Maciel

Publicação: 20/03/2010 16:36

Acostumado a participar de apresentações da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro (OSTNCS), o clarinetista Félix Alonso se diz vítima de perseguição política por parte do maestro Ira Levin, regente da orquestra. Alonso alega ter sido dispensado de tocar na sinfônica porque participou da ópera-bufa Auto do pesadelo de Dom Bosco, do maestro Jorge Antunes. A peça, encenada em fevereiro no Conic, é uma sátira com a crise política do Distrito Federal e, entre outros, ironiza a deputada Eurides Brito, sogra do maestro.

Alonso não é funcionário da orquestra, mas costuma completar o quadro de clarinetas e realizar concertos eventuais mediante cachê de R$ 600. Há duas semanas, recebeu telefonema do maestro Levin no qual era dispensado de todas as apresentações com a orquestra deste ano. "Ele me deu uma bronca e disse: 'Você não vai tocar mais uma nota comigo nesta orquestra. Você ia ganhar muito dinheiro este ano, mas não vai ganhar mais'", conta. "Ele estava irritado porque eu tinha tocado numa ópera que estava criticando a sogra dele. Ele disse que não mistura trabalho com política? Mistura, porque se não misturasse permitiria que fosse contratado na orquestra."

O maestro não nega o telefonema, mas afirma que queria apenas dar uma opinião sobre a ópera de Antunes. "Disse a ele que ele não estaria tocando com a orquestra e tomei a liberdade de dar minha opinião pessoal, de artista para artista, sobre o assunto da ópera, algo do qual creio ter direito a dar. Não tem a ver com minha declaração na entrevista (concedida ao Correio na última terça), em que digo: 'Eu separo política e trabalho, não faço parte de nenhum partido'. Há dúzias de músicos que participaram da orquestra em anos passados, que não participarão este ano, e que podem participar ainda se a oportunidade e a necessidade aparecerem", diz Levin.

O maestro destaca ainda que a programação de 2010 está fechada e que suspendeu a participação de Alonso em um concerto em julho porque a apresentação foi cancelada. %u201CEstava considerando não só o Felix, bem como outros clarinetistas, porém foi cancelado por causa de mudanças na programação, pois perdemos um concerto com o adiamento do início da temporada que deveria ter ocorrido em nove de março. Como todos os outros solistas já estavam confirmados, tivemos que adiar o concerto em que não tínhamos certeza de quem seria o solista%u201D, diz Levin.

Decepção
Para Alonso, a decisão do maestro é fruto de perseguição política. "Eu admiro o maestro porque acho que é um bom músico. Mas essa ligação dele me decepcionou demais. Além do mais, como pode dizer que não mistura política com trabalho depois de ter acontecido isso comigo?" O clarinetista está acostumado a tocar com a orquestra brasiliense desde 1997, quando pisou em Brasília pela primeira vez a convite da maestrina Elena Herrera. Cubano, 34 anos, Alonso deixou o país natal para se casar no Brasil. Desde então, deu aulas na Escola de Música de Brasília (EMB) e hoje tem alunos particulares de clarineta e ensina iniciação musical em escolas particulares.

Naturalizado brasileiro, colaborou com a sinfônica da capital em peças como Sinfonia nº 3, de Schumann, Sinfonia nº 7, de Beethoven, e Bachianas brasileiras, de Villa-Lobos. No fim do ano passado, foi convidado por Levin para ensaiar a Sinfonia nº 9, de Mahler. Chegou a participar de dois ensaios para fazer a leitura da peça, meses antes de participar da ópera no Conic. "Sou um simples músico que tocou na ópera, não fiz a ópera, a ópera é do maestro Jorge Antunes, que é meu amigo e isso ninguém pode tirar. Vivo num país livre."

Folha Brasiliense
Publicação: 20/03/2010 16:36
Nahima Maciel.

Radeir disse...

Indignada,posto aqui 08 comentários da crítica infeliz do Maestro Ira Levin,revelando e comprovando ser um mal,senão péssimo brasileiro.

Esta matéria tem: (8) comentários

Autor: Juliana Borges
Vergonha total! O musico quer fazer um trabalho sério e é impedido pelo genro da ladra que coloca dinheiro na bolsa! A partir de agora eu ignoro as apresentações da orquestra enquanto Ira estiver no comando! Fora Ira Levin!

Autor: ignacio duarte
ATÉ DENTRO DA ORQUESTRA SINFÔNICA TEM O DEDO PODRE DA EURIDES BRITO!!! GENRO GRINGO NO COMANDO DA ORQUESTRA!!! FORA COM ESSE GRINGO!!! EURIDES BRITO LADRA, SEM VERGONHA NA CARA!!! O QUE ESPERAR DE ALGUÊM LIGADO A UMA PESSOA COMO EURIDES BRITO!!! FORA COM ESSE GRINGO SEM ESCRÚPULOS DA NOSSA ORQUESTRA!

Autor: redhe red redhe red
esse maestro e que deve ser expulso da orquestra nao deve ter capacidade e sim costa quente fora fora fora

Autor: jonatas cohen
Ira Levin foi demitido da Orquestra do Teatro Municipal de São Paulo em 2006. Serra, prefeito, soube que o americano nunca tocava música brasileira e o chutou. Levin resolveu casar com a filha da Eurides Brito. Esta derrubou Barbato em Brasília e enfiou o norte-americano goela abaixo dos brasilienses

Autor: redhe red redhe red
tudo que vem da eurides e fruto de corrupçao deve ter comprado oum genrro e indicado para ser mais um sangue suga da cidade pode crer que a sujeira nesse maestro e so ir atraz eurides brites um mostro a ser abatido da politica

Autor: jonatas cohen
Roselene e muitos não sabiam dos vínculos que a direção da orquestra do Teatro Nacional tem com os bastidores dos podres poderes. É lamentável isso.

Autor: Roselene Candida Alves
Não sabia que Ira Levin fosse genro de Eurides Brito. É por isso que ele rege a Orquestra? Fora Ira Levin!

Autor: Roselene Candida Alves
Nossa! Não sabia que a Orquestra Sinfônica de Brasília tivesse o dedo podre de Eurides Brito. Que decepção! Fora Ira Levin! Fora Eurides Brito! Viva Félix Alonso e a sua coragem em denunciar esta corja!

Radeir disse...

Parece que foi estes versinhos que arrancaram a máscara cheia de ira do maestro Ira nada Leve.

Meirinho -
Eis agora a feiticeira cheia de delito:
a Bruxa Ouvides Grito!

Coro do Povo –
Essa bruxa é uma cobra,
até parece serpente rasteira.
Ela é cheia de manobra,
ela merece é ir pra fogueira,
fogueira, fogueira, fogueira, fogueira, ...

Juiz Voxprópolis (gritando, interrompendo o povo) -
Silêncio!


Bruxa Ouvides Grito -
Vocês pensam que sou bruxa.
Toda gente, nessa orgia,
logo fala, desembucha:
sou a voz da maioria!

Eu fui uma professora,
forte fui na Academia.
Eu cheguei a ser Doutora,
eu vivi muita alegria.

Na política eu entrei,
abracei a burguesia.
A carreira acabei
pra fazer demagogia.

Defendi Educação,
já sonhei com utopia.
Comecei na religião,
acabei na vilania.

A verdade vem depois:
candidata em agonia
logo enche o caixa-dois
e a vergonha logo esfria.

Não sou ave de rapina!
Pra que tanta rebeldia?
Na bolsa, pouca propina.
Muito pouco eu recebia.